Por quê o bolsonarista age como age?

Muito se questiona sobre a razão que leva bolsonaristas a continuarem apoiando Bolsonaro. Ricardo Rangel publicou uma reflexão sobre isso com o título “O coração tem razões que a própria razão desconhece” (Veja. 30.06.20). Ele conclui que é fácil entender porque Bolsonaro age como age, mas que é difícil entender porque os bolsonaristas continuam o apoiando depois de serem, segundo seu entendimento, traídos de maneira tão acachapante.

Não me é tão fácil entender porque Bolsonaro age como age. Enxergo sua motivação – cuja ética e moral são questionáveis – para desidratar a Lava Jato e garantir o foro privilegiado à Flávio Bolsonaro. Visa proteger o filho implicado em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, por exemplo. Quanto à traição que retiraria de Bolsonaro o apoio de bolsonaristas, me parece haver um erro de leitura. Bolsonaro não traiu nada e nem ninguém. Para fazê-lo, seria necessário que tivesse assumido algum compromisso com esse algo ou alguém. Jamais o fez.

Veja, Bolsonaro nunca se comprometeu sequer com o que fala e fica registrado. Sua lealdade, se é que há alguma, é restrita aos seus filhos. Seu descompromisso é tal que fugiu aos debates. Privou o país do direito de ouvir suas propostas e dialogar sobre elas. Bombardeou, e segue bombardeando, a população de dentro e de fora do país com mentiras e distorções da realidade, as chamadas fake news. O descuido proposital com o conteúdo e a forma do material apresentado como plano de governo foi mais uma declaração explícita da sua falta de zelo com a nação, com a democracia e com cada cidadão e cada cidadã, inclusive aquele que era o seu eleitor convicto.

Não faltam evidências muito objetivas que caracterizem o desleixo e a falta de compromisso de Bolsonaro com qualquer pensamento, ação, instituição ou pessoa. Não me detenho nisso que é público e notório. Meu objetivo, foi apenas demonstrar que não se pode acusar Bolsonaro de traição.

Se Bolsonaro não traiu, logicamente ninguém foi traído, nem mesmo o núcleo duro de seu eleitorado – vulgarmente tratado por bolsonaristas. Tampouco creio que se sintam traídos. Do mesmo modo que Bolsonaro, seu eleitor não demonstra compromisso com o país e seu povo. Concordando que bolsonaristas não foram “traídos de maneira tão acachapante”, permanece o problema: por que o bolsonarista age como age? Tenho uma hipótese. Para desenvolvê-la é preciso que se defina o que é um bolsonarista.

O que é um bolsonarista: primeira aproximação

Num primeiro momento, pode parecer simples: um bolsonarista é um seguidor de Bolsonaro. No entanto, essa definição parte de um pressuposto falso: o de que para existir a categoria bolsonarista é preciso que exista Bolsonaro. Defendo que bolsonaristas existem antes e para além de Bolsonaro.

Para essa hipótese, é preciso assumir que Bolsonaro é apenas mais um bolsonarista, não merecendo que se lhe atribua qualquer autoria na construção desse modo de existir. Isso seria lhe conferir uma importância que não possui. Enquanto o tipo de bolsonarista que é, Bolsonaro é insignificante.

Se o modo de existir bolsonarista independe de Bolsonaro, por que o adjetivo nasce de seu nome?

Personalidade como função

A personalidade Bolsonaro ganha função na medida em que ativa o que passarei a chamar de bolsonarista existencial. É necessário e estratégico distinguir entre os dois tipos de bolsonarista que identifico: o existencial e o circunstancial.

A categoria bolsonarista existencial corresponde ao grupo de indivíduos sem disposição ao pensamento reflexivo. Os indivíduos da categoria bolsonarista circunstancial são aqueles que, por alguma circunstância específica, estão com a capacidade de pensar temporariamente embotada. O primeiro é caso perdido. O segundo é possível recuperar.

Esse é o trabalho necessário. Identificar, dentro do que comumente se designa por bolsonarista, quem é caso perdido e quem ainda pode ser resgatado. Não pretendo explicar porque a não disposição para o pensamento reflexivo ocorre. A proposta é distinguir entre os tipos existencial e circunstancial com o fim de dirigir o trabalho para aquilo que pode e deve ser feito: recuperar o bolsonarista circunstancial.

Sob a função Bolsonaro, os tipos bolsonarista existencial e circunstancial passam a orbitar o que parece um movimento organizado: o bolsonarismo. No entanto, ainda que se reconheça um bolsonarismo, e que ele possa ser caracterizado como um movimento, a realidade mostra que não é organizado. Ao contrário, sua expressão é caótica, violenta e perturbada.

O bolsonarista existencial

Esse grupo é caracterizado pelo fanatismo e pela ausência de pensamento reflexivo, sendo a faculdade do pensar o elemento-chave. O pensar de modo reflexivo é próprio do humano. Abrir mão desse pensar genuinamente curioso, que reflete sobre si mesmo e sobre o que está fora de si, é o mesmo que abrir mão da própria humanidade. Isso é muito perigoso e pode ter consequências desastrosas, deixando marcas profundas, duradouras e terríveis não apenas para toda a humanidade, mas também para toda forma de vida existente no planeta.

Partindo da pergunta retirada do texto de Ricardo Rangel, é preciso identificar o que motiva o agir do bolsonarista existencial uma vez que o pensamento está ausente. Se não é instada pelo pensamento, sua ação é pura reação dirigida à sobrevivência do organismo. Diante de uma ameaça, seu repertório de respostas irrefletidas se restringe à fuga, luta ou paralisação (fingir de morto). Sem disposição ou competência para o pensamento, toda complexidade é uma ameaça e, portanto, fonte de sofrimento a ser evitada.

Ao repudiar tudo o que lhe é estranho, o bolsonarista existencial substitui o convite ao diálogo pelo esforço de enquadrar o que lhe escapa dentro dos limites de certezas com as quais está familiarizado. O que foge disso é inimigo a ser subjugado e controlado. No limite, deverá ser eliminado.

Para esse perfil, ansioso pela necessidade de controle, não surpreende a recorrência ao passado como tempo idealizado, livre de complexidades, onde cada pessoa sabia exatamente o seu lugar e, por isso, era feliz. Nesse sentido, muito mais do que conservador, um bolsonarista existencial é retrógrado. Saudoso de um passado inventado, trabalha pela supressão de direitos conquistados no longo percurso da construção de uma sociedade menos desigual.

Em síntese, para o bolsonarista existencial não há razão. Há reação. Não há curiosidade e encantamento. Diante do abismo há apenas medo, talvez pavor. Não há transformação possível, há o esforço violento de conservar e controlar aquilo que, em essência, não é possível conservar estagnado nem controlar: a vida. Talvez, por isso, o ódio seja um afeto tão presente. E, talvez precisamente por isso, a bolsonarista existencial constitua risco potencial de aniquilação da própria vida que deseja conservar livre de mudança.

O bolsonarista circunstancial

Nem todo bolsonaristaé um deserto de sal. Ao contrário do primeiro tipo, o bolsonarista circunstancial não abriu mão de sua humanidade. A disposição para o pensar reflexivo existe, porém está temporariamente embotada. Embora haja o espaço para o diálogo, este perfil se acredita carente dos recursos que permitiriam o relacionamento criativo com uma complexidade transbordante.

Essa crença pode promover o sentimento de desamparo que favorece a adesão a um modelo de mundo simplificado, sem nuances, de fronteiras bem marcadas e impermeáveis. Nesse mundo, o pensamento reflexivo é substituído pelo conforto do discurso pronto, ainda que autoritário. Para esse tipo, empobrecido pelas circunstâncias, podemos nos oferecer como um outro que dialoga e ajuda a recuperar o acesso aos recursos próprios de interação criativa e resiliente com a realidade.

Nosso papel é identificar o bolsonarista circunstancial perdido no que parece ser a massa indiferenciada do bolsonarismo vulgar. Então, devemos nos oferecer como facilitadores da recuperação da potencia do pensar nessas pessoas. É possível que, em resposta ao espetáculo tosco das mentiras, descuidos e desprezo por tudo que não sejam seus próprios interesses, Bolsonaro já tenha mobilizado esse grupo a despertar para o equívoco de apostar no ódio como resposta aos desafios de nossa sociedade.

É junto a essas pessoas que devemos nos posicionar. Não importa, agora, saber porque o bolsonarista existencial age como age. Ele mesmo não sabe, e nem demonstra interesse em saber. O importante é identificar esse que, se percebendo desamparado, aderiu ao discurso pronto, violento e autoritário que tem Bolsonaro como porta voz. Identificar e ajudar a recuperar a coragem de pensar desses sujeitos de diálogo circunstancialmente embotados é fundamental para enfraquecer o projeto de poder da ultradireita neste país.

Esse texto foi escrito em junho de 2020.