Imaginar: a coragem de ser livre

“I can’t breathe!”. Eu não posso respirar! Repetiu George Floyd, assassinado por asfixia pelas forças racistas do Estado, em maio de 2020.

Até a manhã de 31 de maio do mesmo ano, o mundo contabilizava 369.529 mortes humanas por asfixia em complicações associadas ao Covid-19.

Ailton Krenak, em muitas de suas falas, tem chamado a atenção para o descolamento do homem branco de tudo o que diz respeito à vida. Destaca o absurdo da sua fantasia de superioridade à outras raças, outras espécias, o planeta, e, até, fora dele.

Não é exagero. Ontem, em meio ao caos na terra, uma nave tripulada deixou o planeta com destino a uma estação espacial. Parece um grande feito. Muita gente animada. Os EUA, aparentemente recuperariam sua liderança na exploração do espaço — não fosse suficiente a bagunça que vai-se acumulando aqui embaixo. E, apostam os senhores do capital, voos comerciais tripulados serão rotineiros. Uau, hein…

“I can’t breathe!”, repetiu George Floyd antes de desacordar, sob as botas de um policial branco, até, finalmente, morrer.

“Alguma coisa está fora da ordem”. Te parece?

Uma mudança radical precisa acontecer. Essa mudança precisa ser voluntária e consciente. Krenak alerta não ser adequado pensar nessa suspensão da vida, provocada pela pandemia, como algo temporário, que apenas adia nossos planos, para que retomemos tudo de onde parou. É necessário que se reflita como se chegou até aqui, e o que deve ser feito para que não se repita.

Achille Mbembe faz a mesma prolação em seu artigo ‘O direito universal à respiração’. Reproduzo um trecho.

“Presa em um cerco de injustiça e desigualdade, grande parte da humanidade está ameaçada pela asfixia, e a sensação de que nosso mundo está em suspenso não para de se espalhar.

“Se, nessas condições, ainda houver um dia seguinte, ele não poderá ocorrer às custas de alguns, sempre os mesmos, como na Antiga Economia. Ele dependerá, necessariamente, de todos os habitantes da terra, sem distinção de espécie, raça, gênero, cidadania, religião ou qualquer outro marcador de diferenciação. Em outras palavras, ele só poderá acontecer ao custo de uma ruptura gigantesca, produto de uma imaginação radical.

“Um mero remendo não será suficiente”.

Não é de agora a denúncia sobre essa falta de imaginação humana, que insiste em velhas fórmulas falidas, ou, como diz Mbembe, meros remendos.

A boa notícia é que podemos fazer mais do que remendar. Somos dotados da capacidade de imaginar. E somos em maior número do que aqueles que se encontram embotados dessa capacidade.

Ontem o Brasil foi dormir com a esperança de que sua porção não necrosada, viva, capaz de imaginar, é a maioria. #Somos70%. Talvez sejamos mais. Não só no Brasil. No mundo. O que falta pra ativar a coragem de imaginar outro jeito de estar no mundo, e de ser com o mundo?

Em nome desses outros jeitos de estar no mundo, compartilho a determinação e a coragem dessa mulher nigeriana, Sophie Oluwole. Desafiando a narrativa dominante que silencia e apaga outros olhares, seres e pensares, ela teve a coragem de se imaginar em um lugar diverso daquele imposto pelo colozinador. Pela força transformadora de sua coragem de imaginar, resgatou um novo fio narrativo pra história da África no mundo e para história do mundo como um todo. Também compartilho a força inventiva e criadora de mundos de Frida Khalo, reproduzindo sua obra de 1943: Myself, Diego and señor Xolotol.

Para uma ruptura gigantesca, para a imaginação radical, vamos precisar de todo mundo.

The Love Embrace of the Universe, the Earth (Mexico), Myself, Diego and Señor Xolotl. Frida Khalo, 1943.

Notas sobre a pandemia (1)

Em três dias completo um mês de isolamento social. Nesse tempo, apenas saí de casa por duas vezes. A primeira foi logo no início da crise no Brasil. Meu destino: o mercado de verduras e frutas. A segunda vez foi hoje. Precisei ir ao banco. Entre a primeira e a segunda saída, pelo menos no bairro onde moro, a diferença no fluxo de pessoas nas ruas chamou a atenção.

Há quase um mês atrás, as ruas estavam praticamente desertas de carros, e as calçadas vazias de gente. No mercado, evidentemente, havia pessoas. Mas todos pareciam cuidadosos em manter distância saudável de outro vivente. Hoje foi bem diferente. O fluxo de carros estava alto. Atravessar as ruas foi trabalhoso. Envolveu alguma espera para que os muitos carros pudessem desfilar acelerados, ignorantes de tudo que não fosse o asfalto livre. Senti gastura. O trânsito de pedestres também chamou a atenção. Era muita gente circulando, despreocupada em guardar alguma distância de qualquer outra pessoa.

O bairro onde moro é marcado pela ausência de vida nas ruas. É mesmo só um ir e vir de gente. Ninguém para, até porque não tem onde parar. Não tem uma esquina, não tem um bar, não tem uma praça viva. Tem a praia. Tem os condomínios. Tem os shoppings. Em dias comuns, as pessoas que a gente vê circulando pelas ruas são, em sua maioria, trabalhadores e trabalhadoras destes shoppings e condomínios. Eram essas as pessoas circulando a pé, 4 semanas depois do início do isolamento social. Não eram essas, entretanto, as mesmas que circulavam de carro. Pensei pelo aspecto otimista: quanta gente nessa minha cidade é serviço essencial! Quase bati palmas, mas estava ocupada tentando manter alguma distância dos outros corpos. Senti ansiedade e irritação.

No banco, avistei um atendente, três seguranças e uma cliente. Enquanto esperava minha vez, o que foi rápido, percebi os seguranças conversando entre si. Pareciam contrariados. A mulher dizia que a linha de ônibus que usou para chegar ao trabalho estava amontoada de gente: “um falando dentro da cara do outro”! Um dos homens reclamou do que avaliou como insensibilidade dos que insistem em estar nas ruas sem necessidade: “parece que não estão lendo as notícias, não estão levando a sério, um desrespeito com a gente”. O terceiro disse que não tinha jeito, era confiar no papai. Eu não entendi. Acho que ninguém entendeu, porque ele precisou explicar: “papai! O pai do céu. Só a providência”.

No caminho pra casa parei em uma farmácia. Chorei ao me afastar do caixa. Estranhei as marcações no chão, as fitas criando distância entre as gôndolas e os balcões. O caixa estendendo o braço, com a sacola pendurada na pontinha dos dedos, a embalagem de álcool ao lado da registradora.

Apesar de as lojas estarem fechadas, à exceção das farmácias, bancos e lojas de chocolate, tinha bastante gente circulando dentro do shopping. Também havia uma padaria aberta, com pessoas sentadas às mesas, sem qualquer distância entre si. Não estava proibido consumir dentro dos locais?

Chegando em casa, teve início o ritual de desinfecção, ainda na porta do apartamento. Fui direto pro banho. Achei que um homem tinha espirrado perto demais de mim. Meus cabelos estavam soltos. Lavei os cabelos que estão longos, longuíssimos.

Sentada no sofá, senti um tipo de alívio. Olhei pela varanda. O mar ainda em ressaca. Acostumei a olhar o mar pela janela. Só passou um mês e parece que a vida sempre foi assim.

Brasil: 422 dias sem dignidade

Em pouco mais de um ano atuando como presidente desse país o legado de Bolsonaro é mais negativo do que análises econômicas otimistas fazem parecer. Sem disfarçar, o presidente usa o poder conferido pelas urnas para favorecer o clientelismo, a família, a corrupção e garantir sua permanência como soberano autoritário da nação.

Os escândalos incrementados de muita cafonice e deselegância, não pararam depois de empossado. Muito pelo contrário. Parece haver um ministério oculto dedicado a produzir espetáculo a fim de desviar atenção dos escândalos intermináveis. O lastro da proximidade com milicianos e o esforço em tumultuar, até impedir, a investigação do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes é desconcertante. Mais desconcertante ainda é o aparelhamento explícito que visa blindar Flávio Bolsonaro de qualquer investigação no esquema de corrupção, docemente apelidado de esquema das rachadinhas.

Em que pese a política internacional e as relações diplomáticas, não parece haver qualquer preocupação em manter a reputação de um Estado laico, democrático, republicano e de direito. Muito pelo contrário, além de acumular incidentes diplomáticos, o governo, através da pessoa do próprio presidente, busca ativamente a aliança com regimes teocráticos autoritários. Além disso, se oferece como pinico sempre disponível para as necessidades dos EUA de Trump, sem nunca negociar nada em troca de tanta gentileza.

Isso, e o descompromisso com acordos de cooperação entre as nações para conter o avanço da crise climática comprometem a credibilidade do país perante a comunidade internacional séria e a confiança de investidores. Perdemos capital político. Perdemos dinheiro. Perdemos dignidade.

Em 422 dias de governo, o que temos de concreto é também o ataque à liberdade de imprensa, ao direito de informação e à liberdade de expressão. Instituições de ensino e pesquisa, bem como agências de regulação estão sendo persistentemente atacadas e enfraquecidas. O funcionalismo público de carreira está sendo desidratado a pretexto de onerarem o Estado, ao passo que os cargos de confiança incham.

Como estratégia dupla de manter o exército ao seu lado, seja para ajudar a reelegê-lo, seja para apoiá-lo em uma eventual aventura golpista, ao longo desses 422 dias o presidente Jair Bolsonaro tem se dedicado a fazer rir as forças armadas. Como apoio a essa força, pretende armar a população sob o argumento de que o povo precisa se defender de uma investida golpista dos comunistas. A essa frente, se soma o incentivo à formação de um Estado miliciano neopentecostal.

Nesses 422 dias de governo, Bolsonaro acumula em sua lista de conquistas o aumento do desemprego, a fragilização da soberania econômica, intelectual, cultura e alimentar do país, o incentivo ao genocídio dos povos indígenas e à grilagem, a perda de patrimônio ambiental e genético pela negligência planejada com os biomas da Amazônia e do Cerrado.

Isso tudo, e mais, acontece ainda com o presidente da república incitando a parcela ignóbil da população em favor do fechamento do Congresso e tomada militar do poder.

E mesmo diante de tudo isso, o mais aterrorizante é o silêncio.

Atualização de referências pra gente asquerosa

Witzel não é bobo. Tudo pra ele é palanque.

Em agosto de 2019, um rapaz fez de reféns os passageiros de um ônibus. A operação durou cerca de 4 horas e terminou com o sequestrador sendo baleado e morto por um sniper. Houve controvérsia quanto ao, assim definido, sucesso da operação. Não vou entrar nesse mérito. O ponto aqui é destacar a inadequação e a inadmissibilidade do comportamento do governador do estado do Rio de Janeiro.

Eleito na sombra das afinidades de prateleira com o teocrata ultradireitista Bolsonaro, o até então desconhecido Witzel se oferece como servo dos interesses conservadores (retrógrados?) de falsos moralistas e liberais de mercado. Meteórico, ganha relevância defendendo a violência justiceira dos homens de bem, esses marcadamente covardes.

Uma das primeiras informações que o estado conheceu a seu respeito chegou através de um vídeo onde, ainda juiz, ensinava a torcer a lei a fim de se obter vantagens financeiras. Malandro, o fluminense deve ter ficado bem impressionado, porque o elegeu.

Confesso que não enxergava esse Witzel. Quando tomei conhecimento de sua presença, ele já era praticamente eleito. Defendia impiedade no combate ao crime. Desfazendo dos princípios que norteiam os direitos humanos universais e a própria legislação brasileira, repetia que a polícia teria liberdade de atirar antes e perguntar depois. Talvez nem perguntar. E, ao atirar, que fosse ja cabecinha.

Daí em diante, fica difícil elencar quais das suas manifestações públicas são mais desprezíveis. A certeza é a expressão grotesca do quadro.

Uma das atuações públicas de Witzel que mais asco me causou aconteceu em campanha, uma semana antes das eleições. Ao lado dos truculentos Daniel Silveira e Rodrigo Amorim, eleitos deputado federal e estadual pelo Rio, ostenta orgulhoso o vandalismo com a memória de Marielle Franco, cujo assassinato ainda segue sem respostas.

Os três covardes, em busca desesperada por relevância, procuram associar sua imagem à imagem não menos repulsiva de Jair Bolsonaro. O assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes também parece bastante associado à Jair Bolsonaro.

Exibindo a placa partida, os três delinquentes entregam mais um discurso de ódio e intolerância incitando a violência. Contentes em sua mediocridade insignificante, os três posam para a foto. Witzel aparece com o braço erguido e o punho cerrado, como quem celebra uma grande vitória. No rosto suado, estúpido sorriso.

Também é de causar asco a coletiva onde Witzel comunica sua política de segurança pública. Sempre expressando violência, preconceito e desprezo pela vida, declara que a polícia militar, em sua gestão, terá carta branca para matar, atirando primeiro e perguntando depois, porque ele “não tem bandido de estimação”. Em uma linha, sua política se resume à seguinte ordem: “é para atirar na cabecinha”. O alvo é claro: negros, pobres, favelados.

Desse modo, operações desastradas e irresponsáveis, construídas para serem espetaculares, entregaram ao mundo o caso isolado do dia. Todo dia.

Foi o caso isolado o assassinato de Agatha. A menina de 8 anos morreu nos braços do avô, baleada nas costas pela PM do Rio, de Witzel.

Foi o caso isolado o assassinato de Rodrigo Alexandre Serrano. O jovem de 26 anos foi alvejado pela PM do Rio por que portava um guarda-chuva para proteger a esposa e o filho da chuva. A desculpa: a polícia confundiu o guarda-chuva com um fuzil.

Foi o caso isolado do assassinato de Marcos Vinícius da Silva. O adolescente de 14 anos foi baleado enquanto ia para a escola, uniformizado com a camisa da rede pública de ensino. Ensanguentado, peito furado por projéteis do Estado, aninhado nos braços da mãe, ainda teve tempo de perguntar: “mãe, ele não viu que eu estava indo para a escola?”.

Esses casos isolados não se resumem aqui. Compõem uma longa ficha corrida de crimses de racismo e injustiça social cometidos pelo Estado com a chancela da população.

Witzel não apenas é asqueroso. Ele eleva a definição do termo para outro patamar. E é consistente.

Foi sendo consistente que no dia 20 de agosto de 2019 ele chegou de helicóptero, saltitante e celebrativo, para comemorar o assassinato de um rapaz que havia feito de reféns os passageiros de um ônibus sobre a ponte Rio-Niterói. Feliz, não cabia em si, o herói.

Questionado, negou a comemoração. Não estava comemorando uma morte, estava comemorando as vidas salvas, declarou.

Comemoração asquerosa de Witzel

Sem limite para espetáculo e o ridículo, Witzel fez de palanque a Libertadores. O sujo usando o mal lavado. Witzel que usa Bolsonaro, que usa o Witzel que usam o Flamengo, que usa Bolsonaro, que usa Witzel e que usam todo mundo.

A taça Libertadores é mais um acontecimento com garantida cobertura da imprensa e atenção popular. Patético, Witzel fez da vitória rubro-negra um evento para jogar holofotes sobre si. O picadeiro? A capital do estado que o elegeu governador.

Fantasiado no seu caricato sorriso de homem bobo, paletó cinza sobre a camisa do Flamengo e um manto da “nação” sobre o pescoço, pisou o gramado e se ajoelhou aos pés do atacante Gabigol. (Por extensāo, se ajoelhou aos pés do clube que pouco antes fora palco da morte de 10 jovens atletas por negligência deliberada, sem que, até o momento a diretoria ainda tenha sido responsabilizada.)

Witzel se ajoelhou em campo, em uma atitude asquerosa e populista.

Vi a cena e logo imaginei o toma lá dá cá que se negociou entre o governador, o clube e o jogador para a produção de triste espetáculo.

— Ah, mas que mal-humorada. O cara não se ajoelhou para o clube e nem para a diretoria, ele se ajoelhou para o Gabigol, o craque, o jogador. A festa não pode ser punida pelos erros dos cartolas. Não pode politizar o entretenimento.

É sério que você desconsidera a possibilidade de uma conversa, um faz-me-rir entre governador, diretoria e atleta?

Nem tive tempo de terminar meu pensamento. O assunto já era TT. O ângulo e o instante capturado, faziam o jogador parecer desconfortável em ter o Mr. Potato ajoelhado aos seus pés. Aparentemente, o atacante teria se afastado constrangido ou, talvez, enojado com a cena. E nem duvido que tenha sentido nojo e desprezo. Não duvido mesmo. As imagens em vídeo deixam mais evidentes o constrangimento.

Populismo asqueroso de um invertebrado

No Twitter, a chuva de histeria reproduzia a imagem ridícula acompanhada de frases como: Gabigol lacrou. Gabigol humilhou. Gabigol desprezou. Gabigol herói.

Fiquei aguardando quanto tempo até o herói dos tolos desmoronar. Não demorou nada. Poucas horas depois, vestindo medalha e o manto rubro-negro, a imagem asquerosa de Witzel e de Gabigol silenciando os arroubos de heroísmo inexistente na suposta recusa do atleta em receber a deferência do invertebrado que nos governa o estado.

Print da tela da conta oficial de Witzel agarradinho com Gabigol

Os passadores de pano, de todos os matizes sociais, econômicos, políticos e ideológicos, se apressaram para: passar pano! — Ah, mas a pressão da imprensa. — Ah, mas a pressão da diretoria.

— Ah, mas a pressão…dos privilégios e vantagens que posso acumular disso — deve ter pensado Gabigol. E a diretoria. E o governador.

Gabigol pode até ter sido forçado a posar de troféu pro tolete humano que o povo fluminense, com seu dedo de Midas invertido, colocou no poder. Mas, precisava posar assim cheio de dente e convicção?

10 flamenguistas não comemoraram

O lugar se chama Ninho do Urubu. Lá, jovens atletas são cuidados até se tornarem os craques do futuro.

Para a indústria que se alimenta do futebol, no Ninho se gesta lucro. Com sorte e inteligência, os melhores atletas também podem fazer dinheiro pra si mesmos, e fazer dinheiro pra durar.

Vai ser difícil. Corpo de atleta é corpo exigido além do limite. É corpo abusado. É corpo que lesiona muito. É corpo que gasta rápido. Mas, pra muita gente, a fama do esporte pode ser o único passaporte para fora da pobreza.

Isso é especialmente verdade para um país que despreza a educação, a ciência e a pesquisa. Em país que premia o mérito de se ter nascido com privilégios, a força física pode ser a única forma de romper com a roda da fortuna virada sempre de ponta-cabeça.

Tudo dando certo, os craques em formação poderão até ajudar as famílias de origem quase invariavelmente humilde. É uma espécie de conto de fada.

É muito bonito o que o esporte faz pelas pessoas.

O lugar se chama Ninho do Urubu. Lá, jovens atletas são cuidados até se tornarem os craques do futuro. Só tem um problema. Eles não foram cuidados.

Dormindo em alojamentos condenados, dez meninos morreram em um incêndio por negligência do Flamengo. Três ficaram feridos.

No Ninho do Urubu, em fevereiro de 2019, foram mortos 10 jovens por negligência do clube. Eram os filhos de 10 famílias.

Jovens atletas do Ninho do Urubu mortos em incêndio por negligência do clube
Jovens atletas do Ninho do Urubu mortos em incêndio por negligência do clube

As reações? Luto e indignação em redes sociais. Chocadas com a tragédia, as pessoas repercutiam o coração rubro negro dilacerado, manifestavam solidariedade às famílias e… defendiam o Flamengo.

Passou pela minha cabeça que o que capturou a atenção e a solidariedade geral não foi a morte de dez meninos por negligencia do clube. Passou pela minha cabeça que o que capturou a atenção e a solidariedade do público foi ser uma tragédia com o Flamengo. COM o Flamengo. Entende? Não eram os meninos.

O tempo passou sem que a diretoria do clube tenha sido punida. O que ficou? Uma memória sem afeto de uma tragédia espetacular e distante.

Dez meninos morreram. Mas está tudo bem. Em breve o Flamengo vai superar isso. A nação rubro negra jamais o abandonará. Afinal, o Flamengo traz tantas alegrias.

Torcedores lotam av. Presidente Vargas no Rio
Torcedores lotam av. Presidente Vargas no Rio

Hoje, com o penoso 2019 chegando ao fim, vejo as imagens de uma Presidente Vargas tomada de rubro negro em festa. O país tá bem. Não mobiliza tanta gente. As famílias dos meninos que morreram queimados por negligência do clube estão bem. Não mobiliza tanta gente pressionando o clube por reparação.O flamengo tá bem. Se coloca a serviço da propaganda fascista e dá tanta alegria que mobiliza gente. Muita gente. Viva o Flamengo. Viva a indústria do futebol.

Porque eu já tô de saco cheio

Alô, Marciano. Aqui quem fala é da Terra.

Brasil.

Rio de Janeiro.

Pele e osso sem recheio. E não bota a mãe no meio que dou porrada 3×4 e nem me despenteio.

Mas só se botar a mãe no meio. No mais, se a panela tá suja não quero nem lavar, se a roupa tá lavada não quero engomar, na esteira que deito não quero nem me virar.

Talvez se o Flamengo jogar. Talvez se o Boi Tolo desfilar. Talvez se der praia. Talvez.

O quê? Tão entregando o país pros lobos, pagando pra vender a autonomia nacional? Ih, rapaz. Me deixa aqui na esteira. Traz uma cerveja. Boa.

O quê? Genocídio. Hã? Etnocídio? Criança é? Matando criança indigena, nas favelas? Hum… Vagabundo, né? Mas, as crianças. Tragédia, né? Escuta: quanto foi o jogo?

O quê? Mais 1 bilhão de brazuka na miséria? 50% sobrevivendo com 413 reais? Pesado, hein… Mas o Guedes vai resolver. Isso é culpa do PT. Vai ver. Foi aquela Dilma. Bando de corrupto. Viu minha camisa do Brasil? Vou pedir pro Mito assinar.

O Guedes disse que o pobre não sabe investir os recursos que tem?! Ah… mas num é? Pobre é foda, no lugar de guardar dinheiro vai gastar com cerveja, prestação de TV, fazer churrasco.

Não? Tá é parcelando o arroz com feijão na conta do mercado?

Hahaha, espia aqui. Olha esse meme. A esquerda pira. Hahaha

Eu votei no 17. Ensinei criança a fazer arminha. Sou patriota. Os esquerda não deixam o homem governar. Torce contra. O Congresso joga contra. STF só tem safado. Bando de socialista de iPhone.

Qualquer coisa vou pra Portugal. Tenho cidadania. Bisavó da esposa. Lá que é bom. Escola de qualidade. Pública. Saúde. Mas o que eu quero é Estado mínimo! Pra cima deles, Guedes! haha

Que mimimi de censura o que. Vá… Agora sou obrigado a ouvir essas putaria de funk. Diz que é expressão cultural. Arte. Arte é Monalisa. Aqui minha self com a Mona. Aqui, ó. É esse bando de japonês na frente. Foda. Só no dedo nervoso. Mas tá ali. Atrás do vidro. Tá vendo?

Agora, fica esse bando de vagabundo de esquerda, mama teta, querendo incentivo pra cultura. Ai vai o cara e fica pelado no museu. E as crianças? Performance, meu cu. Putaria.

Essa gritaria. Marielle quem? Marielle vive. Vive onde? Morreu. Tá morta. Não tem resposta? Já prenderam o cara. E essa ai, se morreu, é que boa coisa não era. Querem o que? Incriminar o presidente? Ah, num fode. Eu quero é saber do filho do Lula, do pedalinho! Eu quero saber é do PT. E o peteeeee?

Agora essa palhaçada de agrotóxico. Tem que produzir. Tem que exportar. Tá é certo isentar imposto pra quem usa veneno na agricultura. Incentivo pro produtor.

Nem vem com isso de Amazônia. Pega fogo sozinho. Agora a California em chamas é culpa do Bolsonaro? Olha aqui o meme. Hahaha. Vou repostar pra família. Pera, deixa colocar a #ForaGlobolixo. Hahahha. A sobrinha esquerdinha vai fritar. Culpa da escola. Lavagem cerebral. Bando de comunista.

Mimimi o presidente mentiu no Twitter. Censura. Censura. Querem calar o presidente. Ele já disse que era brincadeira. Agora não pode brincar? Cadê o senso de humor? O brasileiro já foi melhor. Aqui. Acabou cerveja. Traz outra. Gelada.

Só assim pra descer essa agora. A Venezuela joga óleo na nossa costa e a culpa é do Bolsonaro. O cara não pode nem trabalhar. Subornaram o porteiro do Vivendas da Barra pra levantar falso contra o Mito. Claro que ele ficou nervoso. Patifaria. E daí que os Bolsonaro são vizinhos do assassino de Marielle? E daí que o filho do presidente namorou a filha do autor dos disparos? E daí que o Flávio homenageou os envolvidos no crime? E daí que os assassinos e seus familiares foram empregados no gabinete dos filhos de Bolsonaro? Nada a ver…

Chama aquela garota do thetahealing que tô precisando liberar meus traumas com a esquerdalha. Fazer arminha também ajuda. Vem cá. Deixa o vovô de ensinar. Hahahaha. Lembra, na cabecinha, que a gente não tem pena de bandido.

Agora vou descansar. Esse papo chato estressou. Deixa a cerveja.

Cidade é pra gente ou Parem de culpar pedestres por um planejamento pobre

Logo cedo, uma matéria do Bom Dia Rio se estendeu por mais de 3 minutos na culpabilização de pedestres pelo alto número de atropelamentos em vias urbanas. As tomadas e entrevistas com pedestres foram realizadas em pontos próximos a passarelas em ruas e avenidas como Brasil, Ayrton Sena e Américas.

Queriam saber: Se existe passarela, por quê o pedestre se arrisca? Deram voz apenas aos pedestres em passarelas. Os argumentos postos por estes: falta de cultura, falta de educação, irresponsabilidade, falta de apreço à própria vida.

Para atravessar uma passarela, o pedestre, que faz uso da própria energia para se movimentar, precisa subir e descer de um patamar que pode variar de 3 a 6 metros de altura. O pedestre jovem, adulto, saudável e sem restrição na mobilidade já é penalizado. Imagine como fica o pedestre idoso, a criança ou pessoas com mobilidade reduzida? Enquanto isso, a pessoa que se desloca de modo sedentário, dentro de um veículo motorizado, segue livre e sem obstáculos sempre no nível do chão. Faz sentido?

Nem entro no mérito de que nem sempre as passarelas tem rampas, obrigando que pedestres escalem degraus do chão à passagem. Também não vou comentar sobre o desconforto da ausência de cobertura que expõe o pedestre aos ventos, chuvas ou sol quente. Deixo apenas uma provocação. Qual é a racionalidade capaz de conciliar o discurso carregado do desejo de reduzir índices de poluição nas cidades e estimular práticas saudáveis no combate ao sedentarismo com o desestímulo ao transporte ativo?

Talvez a racionalidade esteja aqui: hipocrisia. Talvez, na verdade, as cidades não devam mesmo ser para pessoas. Talvez as pessoas sejam apenas um inconveniente necessário para produzir e gastar, mas que não devem atrapalhar que a cidade aconteça. Sem gente? É. Parece.

A passarela de pedestres seria, portanto, uma solução genial. Ela subtrai o problema gente. Fica aquela estrutura feiosa pendurada sobre o asfalto quente e atrapalhando a visão do maciço montanhoso pela janela do carro, mas, ao menos, elimina o inconveniente humano do trânsito. Aí é bom. Dá pra correr. Meter, o quê, uns 90km/h, mais? Maravilha. Saio do meu caixote cedo. Entro na minha caixinha motorizada, fecho o vidro, ligo o ar, amanso as crianças com uma telinha de LED nas costas do banco. Deposito as crianças na penitenciária, digo escola. Acelero pro trabalho. Estaciono minha caixinha motorizada. Entro na caixinha elevador. Vou pra minha caixinha escritório. Depois é só inverter a rota. Todo dia.

Agora sim. Isso é vida. As passarelas higienizam o trânsito ao retirar as pessoas da equação. Com isso, as vias ficam livres para motorizados realizarem velocidades altas e incompatíveis com a vida. Ué, mas então não é isso, velocidade incompatível com a vida, o que causa atropelamentos e mortes? O repórter ignorou.

De todos os exemplos de travessia por passarela da reportagem apenas um era passagem subterrânea. Fica sobre a Avenida das Américas. As passagens subterrâneas exigem menos dos pedestres. O desnível em relação à rua não passa de 3 metros. Além disso, elas são cobertas. Que bom. Assim deu para eliminar o problema gente da cidade e deixar a vida fácil para os ciborgues sem sacrificar tanto esses frágeis humanos.

Porém, nem o número de passagens subterrâneas é tão expressivo quanto o de passarelas suspensas e nem aquelas são sempre exatamente seguras ou higiênicas. Deixa ver, vou pelo buraco escuro, deserto e mal cheiroso ou tento a humanidade de um motorista que desacelere ao me ver correndo na avenida? Escolha difícil, né?

Para provar a tese da matéria, de que pedestres são imprudentes, irracionais e sem educação, o repórter faz a travessia pela passagem subterrânea. Calcula o tempo. Chega a, segundo ele, meros 3 minutos. Menos tempo que a duração da reportagem. Desconsidera, entretanto, que é um homem jovem, saudável, adulto e com uma altura de aproximadamente 1,80 metros. Talvez esse tempo não seja o mesmo para uma criança, para um idoso ou para alguém com mobilidade reduzida. Diante de sua alta performance na travessia, conclui com uma pergunta: por quê arriscar? Será mesmo imprudência, irracionalidade e falta de educação?

Certa vez conversei com uma família “encurralada” às margens do rio de aço. Queriam chegar ao outro lado. Eram mulheres e crianças. Estavam bem perto dessa passagem subterrânea, mas optaram por não usá-la. Me explicaram o porquê. Para ler, clique aqui: https://derivanavegante.com/2017/10/19/foi-feito-pra-quem/

Mas, olha que bacana: um planejamento urbano e suburbano que tivesse como referência gente desenharia vias que privilegiassem o trânsito de pedestres e ciclistas ao nível do chão. Para isso, os automotores precisariam se desviar, claro. Mas esse desvio, além de fisicamente não sacrificante para motoristas, não seria muito superior a 2 metros. Então, por quê o pedestre precisa escalar até 6 metros ou descer até 3 metros por um túnel muito provavelmente inseguro ou insalubre?

Calma, gente. Esta não é uma revolta contra as passarelas. Passarelas ou passagens subterrâneas são soluções de acessibilidade e segurança para pedestres e ciclistas. Mas passarela e passagem subterrânea não é confete no carnaval. Por isso, na hora de separar o trânsito de carros, pessoas e bicicletas, elas devem ser o último recurso. Antes delas, existem outras estratégias possíveis e mais desejáveis.

Repare, se a área é urbana e se o fluxo de pedestres e ciclistas é alto, a prioridade é de quem usa meios ativos para transitar na cidade.

Deixa eu repetir: se a área é urbana e se o fluxo de pedestres e ciclistas é alto, a prioridade é de quem usa meios ativos para transitar na cidade.

Quer dizer, antes das passarelas e passagens subterrâneas, que se reduzam as velocidades dos automóveis. Que sejam instaladas travessias seguras e acessíveis no nível da rua. Que sejam feitos desvios para os carros e não o contrário.

Para o reporter fazer uma matéria melhor da próxima vez, deixo uma dica. Por quê o pedestre se arrisca entre os carros? Porque aquele projeto não contempla pedestres e ciclistas.

Link para a matéria – Bom Dia Rio (22/10/2019): https://globoplay.globo.com/v/8023222/programa/

46 outubros atrás

Sempre gosto de ver o desfile de crianças deslizando pela telinha do celular. Fui procurar fotos minhas. Pra participar. Achei as várias crianças que eu fui, sempre sendo a mesma. Escolhi essa.

Aqui é a criança suburbana, que aprendeu a andar correndo na rua larga próxima da linha do trem, do lado oposto à fábrica de açúcar.

Esta bebê é carioca. Primeira da família a nascer em terras brasileiras. Contam que não queria sair da Terra do Antes. Chegou por cesariana. Era de muito olhar e quase nunca falar, “tão quietinha que a gente até esquecia”.

Foi neta de imigrantes camponeses que cruzaram um oceano inteiro em busca de paz, trabalho e futuro. É filha de imigrantes — crianças tentando se achar no continente novo entre a tradição familiar campesina e a vida na cidade, jovens adultos, mais jovens que adultos, começando uma família.

O ano desta foto é 1973. Registro de meu pai. Nesta época, plena ditadura militar, ele já estava relativamente bem orientado na direção daquilo que seria a vida dele e que era, como ainda é hoje, fortemente identificada com o trabalho.

Minha mãe, para os meus atuais 46 anos, era uma menina de apenas 21. Recém chegada de terras vizinhas, no Rio era imigrante duas vezes. Sem nenhuma referência que não fosse meu pai e esse bebê, ela se equilibrava entre aprender a viver longe da família, dos amigos e de tudo o que conhecia, aprender uma nova língua, aprender a ser mulher adulta, aprender a ser dona de casa, aprender a ser esposa e aprender a ser mãe. Além da família, deixava no país onde cresceu a estudante de artes plásticas.

Contam que esta bebê não gostava de leite e não comia nada. Mas tinha loucura por passear de carro. O carro era esse Chevette goiaba.

Sobre o tampo do porta malas, a pequena criatura veste um colar de chupeta e fralda de pano. O sorriso sem dentes enfeita a magrelice de toda vida.

Não tenho absolutamente nenhuma memória dessa época. Só aquela que me contaram.

Dois anos e seis meses depois ganharia um irmão gordinho e cheio de dobras.

Paralelos e opostos

Raoni Metuktire, líder da etnia caiapó, nasceu em 1930 no estado brasileiro de Mato Grosso.

Depois de quase um século andando por esse mundo, o embaixador pela proteção da floresta amazônica e dos povos indígenas foi citado como inimigo do país em discurso pós-verdade na assembléia geral da ONU, em 2019. Raoni, liderança reconhecida e respeitada internacionalmente, foi atacado por aquele que nunca será.

Olha esses caminhos.

Quando, aos 24 anos, Raoni estabelecia seu primeiro contato com a cultura branca, Jair nem tinha nascido. Esse chegou um ano depois, em 1955. Para sua mãe acontecia um milagre. Por isso, recebeu o nome de Messias. Acreditou. Nascia o capiroto brasileiro de uma família com ascendência italiana e alemã. Melhor berço pra um anti-cristo não tem.

O ano agora é 1964. O Brasil sofria um sinistro golpe militar. Após 10 anos de seu primeiro contato com ‘o homem branco’, Raoni se encontrava com o rei Leopoldo III da Bélgica (o genocida) por ocasião de sua expedição por reservas indígenas protegidas do Mato Grosso. Jair, por sua vez, não tinha sequer completado 10 anos. Cresceu dentro da noite que mal escondia seus crimes com mentiras e medo. Fez escola.

Adolescente, se orgulha de, supostamente, ter denunciado o militar dissidente e guerrilheiro político contra a ditadura militar, Carlos Lamarca. Era o inicio dos anos 70.

Já tendo sido tema de documentário e sentado com ministro brasileiro para negociar demarcação de reserva indígena, Raoni alcança notoriedade internacional em 1987, após encontro com o cantor britânico Sting.

Jair? Avaliado como excessivamente ambicioso e interessado em enriquecer, Jair (falso)Messias (capiroto) Bolsonaro se insubordina contra a autoridade e a disciplina do Exército. Abre o verbo – que no seu caso é dizer que abre o intestino pela primeira vez pra imprensa. Sua reclamação é por melhor remuneração para sua classe. Ameaça plantar e explodir uma bomba para obter o que quer. Sem maiores punições, aos 33 anos — é isso mesmo, minha gente?! — surfando na marola de lama que nunca mais largou, se elege vereador pelo Rio. Tem inicio uma brilhante carreira politica de 27 anos: como um fungo de pele, permanece no poder sem jamais ter realizado absolutamente nada. Assim, inicia a formação de um clã. Cabra bom, pensa no longo prazo. Principais adjetivos que ostenta com orgulho: desclassificado, odioso, populista, ultra-direitista, defensor da tortura, misógino, machista, racista, inescrupuloso.

Habituado a compartilhar fezes como se fossem ideias, em 2018, fez uma cirurgia no intestino, abrindo suas entranhas para o mundo. Uns dizem que foi uma facada. Outros dizem que foi fakeada. Outros acreditam que foi um câncer. Não importa. Importa que é o intestino. O unico órgão funcional (mas nem tanto) do atual presidente do país.

Em 2019, enquanto Jair se afoga em incidentes diplomáticos, como aquele em que ofende Brigitte Macron, esposa do líder francês, Emmanuel Macron (outra pérola, que perto de Bolsonaro parece a melhor coisa do mundo), Raoni foi recebido por esse líder ao fim do G7.

Insatisfeito em humilhar o Brasil apenas no mundo real (que é a ficção ruim que ele construiu com mentiras aprendidas na adolescência, enquanto admirava a ditadura militar), queimou nosso filme também no universo Marvel.

Queria dizer fim. Mas não acabou. Ainda.

Não se assuste pessoa, se eu lhe disser que a vida é boa

Estranha. Questiona. Não naturaliza a barbárie.

Você não precisa ter certeza. Não precisa ter a resposta pra tudo. Não precisa ter razão. Não precisa ganhar a discussão. E se estiver desconfortável, tudo bem. Você não estará só. Pelo contrário. Provavelmente estará muito bem acompanhado/a.

Há três décadas, o poema dizia assim: estou perdido, não quero encontrar o caminho, mas outros que também estejam perdidos para, juntos, criar um caminho.

Pelamorrrrr de Dadá. Não tô aqui falando pra você seguir o obscurantismo canalha do astrólogo escatológico do terraplanismo, antivacina ou coisa semelhante. Presta atenção!

Apenas, abre os olhos e vê. Sintoniza os ouvidos e escuta. E respira. Respira pra valer. Desafoga os teus pulmões desse excesso de ar congestionado que te sufoca.

Inspira. Expira. E, depois, expira mais.

Percebe o vazio.

Só então inspira de novo.

Muito provavelmente quase ninguém sabe bem o que tá fazendo e nem porquê. Eu desconfio muito de quem diz que sabe.

Vai. Vai na sua. Vai no seu tempo. Acha a sua turma. Ela existe. Ou, antes, acha as suas turmas. Você pode ser muitas coisas ao mesmo tempo. Ou uma de cada vez. E nenhuma delas precisa estar a serviço do enriquecimento financeiro de outro, em uma troca que nunca é justa, até que sobre nada de você.

Disseram que o mundo tinha que funcionar assim. E o mundo se convenceu. Mas, não. O seu trabalho é seu. O seu trabalho, a sua criatividade, a sua inteligência, o seu tempo, a sua vida, a sua saúde, tudo isso é seu e não precisa ser cativo da exploração de um senhor; de um sistema de moer gente e acumular riqueza que te descarta como se nada: “ele não era nada não”, disse a mãe do menino assassinado pela PM do Rio. Tem uma realidade aí fora que te disseram ser a única possivel. Não é.

Isso não é verdade.

Assim como também não é verdade que alguém é nada não. Não! Ninguém não é nada não.

Ama. Conversa. Escuta.

Escuta.

Escuta.

Abraça. Planta uma semente. Rega. Vê brotar.

Escuta. Vê. Ama.

Tenta. Erra. Acerta. Erra de novo. Tudo bem.

Ama.

Faz algo por alguém. Só por fazer. Só pra ver um sorriso. Se o sorriso não vier do outro, tá tudo certo, tá bom também. Tenho certeza que você estará sorrido.

Ama.

Lê um livro. Escreve. Qualquer coisa. Do jeito que der.

Desenha. Pra você. Pra ninguém. Pra quem for. Só pra desenhar.

Borda. Faz música. Ouve música. Dança.

Dorme. Dormir é bom. Dormir é ótimo. Dorme bem.

Não faz nada.

Nada. Vê o céu, o sol, o mar, o verde, a vida.

Ama. Se ame. Pra você. Não pro aplicativo. Não pra competir. Só pra sentir. Só pra ser.

Ama.

Dica amiga: vai lá e escuta Dê um rolê, Os Novos Baianos 😊