Esperança: nossa força combinada

O licenciamento ambiental é um instrumento administrativo da gestão pública. Ele serve ao equilíbrio entre o desenvolvimento econômico e a manutenção do meio ambiente.

Ontem, dia 13 de maio, a câmara dos deputados aprovou integralmente o texto base para a alteração do licenciamento ambiental (PL 37729/04). O texto aprovado fragiliza as regras de licenciamento e controle ambiental vigentes no Brasil. Essa mudança coloca a vida e a economia do país e do planeta em condição de vulnerabilidade. A boiada já atravessou a porteira, sem nem a notar. Mas ainda há uma barreira. O PL precisa da aprovação do Senado.

***

Ontem, dia 13 de maio, o Brasil registrou 430.417 mortes. 430.417 pessoas perderam a vida para a Covid. Existe vacina contra a Covid. O governo Bolsonaro recebeu oferta de compra e negou – não três, como Judas, mas 11 vezes.

430.417 famílias foram afetadas por essas 430.417 mortes. O governo Bolsonaro matou pessoas e mutilou famílias porque se aliou ao vírus. Instaurou o caos. Enfraqueceu as pessoas. O caos e o enfraquecimento das pessoas facilitam a passagem da boiada.

Há uma CPI que pode punir os criminosos. Um deles, Eduardo Pazuello (general da divisão do Exercito Brasileiro), nosso Otto Adolf Eichmann (SS-Obersturmbannführer da Alemanha Nazista) – o “cidadão de bem”, o “obedece quem tem juízo” – tem fugido de oferecer seu testemunho. O “manda quem pode” tem trabalhado para blindar talvez o mais paspalho dos seus asseclas. Há uma CPI. Ela pode punir os criminosos.

***

No dia 13 de maio, acordamos e fomos dormir sabendo que a produção científica do Brasil está com níveis de oxigenação muito abaixo daqueles que sustentam a vida. Com queda consistente de orçamento desde 2013, no dia 11 de maio, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) alertou que pode fechar as portas em julho deste ano. Não é apenas a UFRJ que está ameaçada. Sem produção científica, não há desenvolvimento do país.

Não importa o quanto da Amazônia e do Cerrado seja derrubado, assassinado, loteado, vendido, transformado em resort, estacionamento, shopping center, loja da Havan. Nada disso vai trazer desenvolvimento e riqueza para o país. Pelo contrário. Mas a pesquisa, a produção em ciência, sim, pode desenvolver e enriquecer o pais.

É preciso pressionar o governo a reverter o bloqueio da verba que inviabilizará o que já segue com menos recursos do que é necessário. É preciso o engajamento de toda a sociedade para tentar impedir que, em meio a uma pandemia, a pesquisa que pode trazer respostas e nos salvar seja também asfixiada.

***

Apesar dos orçamentos apertados e achatados pelo teto de gastos, Bolsonaro encontrou recursos para aumentar em 69% o seu próprio salário e o salário da cúpula de governo. Tal medida entrou em vigor em maio. Enquanto isso, todo o funcionalismo público de carreira segue com seus salários congelados. Na visão desse governo, como o ministro da economia e o próprio presidente insistem dizer, essas pessoas são vagabundas.

***

E nós? Soterrados por mentiras e contradições, até então desconhecidas no nosso repertório comum, estamos confusos e cansados.

E nós? Engolidos pela perversidade explícita de um governo que se aliou ao vírus mortal.

E nós? Apáticos sob a pilha de 430 mil corpos que não para de crescer e a qual se somam aqueles perdidos em massacres ordenados pelo mesmo Estado violador.

Ao que tudo indica, não restará país para erguer em 2022. E não restará quem o erga. Das violências que o governo Bolsonaro vem cometendo desde o seu primeiro dia de mandato, os mais afetados são aqueles que a sociedade, a pátria amada, mantém em maior vulnerabilidade. Sem surpresa, é dessa parcela da população que vem a maior resistência contra a morte e o empobrecimento da nação.

É nas reservas indígenas, dentro da floresta, onde reside a maior potência contra a devastação da vida, da cultura, dos saberes mais ancestrais dessa terra. Essa mesma potência também está ativa nas comunidades quilombolas que resistem por todo o país. É na população mais empobrecida, que não coincidentemente é preta e é mulher, que está a maior expressão de resiliência humana desse país. É importante reconhecer o valor dessa gente que é nossa gente e que insistimos em não perceber como gente.

É muito. É demais. É paralisante. Mas não dispomos do tempo para permanecer assim.

O Brasil está sufocando. Bolsonaro nos tira o pouco ar que resta. Temos, ainda, cilindros disponíveis. Temos a CPI da Covid. Temos o Senado para travar a PL do desmatamento. Temos como levantar nossas vozes coletivas contra a desnutrição das universidades públicas federais e o prejuízo da nossa produção em ciência. É preciso que a indignação popular se organize. Não dá pra esperar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s