Brasil: 422 dias sem dignidade

Em pouco mais de um ano atuando como presidente desse país o legado de Bolsonaro é mais negativo do que análises econômicas otimistas fazem parecer. Sem disfarçar, o presidente usa o poder conferido pelas urnas para favorecer o clientelismo, a família, a corrupção e garantir sua permanência como soberano autoritário da nação.

Os escândalos incrementados de muita cafonice e deselegância, não pararam depois de empossado. Muito pelo contrário. Parece haver um ministério oculto dedicado a produzir espetáculo a fim de desviar atenção dos escândalos intermináveis. O lastro da proximidade com milicianos e o esforço em tumultuar, até impedir, a investigação do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes é desconcertante. Mais desconcertante ainda é o aparelhamento explícito que visa blindar Flávio Bolsonaro de qualquer investigação no esquema de corrupção, docemente apelidado de esquema das rachadinhas.

Em que pese a política internacional e as relações diplomáticas, não parece haver qualquer preocupação em manter a reputação de um Estado laico, democrático, republicano e de direito. Muito pelo contrário, além de acumular incidentes diplomáticos, o governo, através da pessoa do próprio presidente, busca ativamente a aliança com regimes teocráticos autoritários. Além disso, se oferece como pinico sempre disponível para as necessidades dos EUA de Trump, sem nunca negociar nada em troca de tanta gentileza.

Isso, e o descompromisso com acordos de cooperação entre as nações para conter o avanço da crise climática comprometem a credibilidade do país perante a comunidade internacional séria e a confiança de investidores. Perdemos capital político. Perdemos dinheiro. Perdemos dignidade.

Em 422 dias de governo, o que temos de concreto é também o ataque à liberdade de imprensa, ao direito de informação e à liberdade de expressão. Instituições de ensino e pesquisa, bem como agências de regulação estão sendo persistentemente atacadas e enfraquecidas. O funcionalismo público de carreira está sendo desidratado a pretexto de onerarem o Estado, ao passo que os cargos de confiança incham.

Como estratégia dupla de manter o exército ao seu lado, seja para ajudar a reelegê-lo, seja para apoiá-lo em uma eventual aventura golpista, ao longo desses 422 dias o presidente Jair Bolsonaro tem se dedicado a fazer rir as forças armadas. Como apoio a essa força, pretende armar a população sob o argumento de que o povo precisa se defender de uma investida golpista dos comunistas. A essa frente, se soma o incentivo à formação de um Estado miliciano neopentecostal.

Nesses 422 dias de governo, Bolsonaro acumula em sua lista de conquistas o aumento do desemprego, a fragilização da soberania econômica, intelectual, cultura e alimentar do país, o incentivo ao genocídio dos povos indígenas e à grilagem, a perda de patrimônio ambiental e genético pela negligência planejada com os biomas da Amazônia e do Cerrado.

Isso tudo, e mais, acontece ainda com o presidente da república incitando a parcela ignóbil da população em favor do fechamento do Congresso e tomada militar do poder.

E mesmo diante de tudo isso, o mais aterrorizante é o silêncio.