Pequenos cuidados

Recentemente ouvi que o debate sobre os ciclo-entregadores não deveria passar por questões de segurança pessoal e orientações para o transito seguro. Argumentava-se que “a presença desses garotos”, normalmente das periferias, nas ruas era uma “forma revolucionária de ocupação das cidades” e que “querer regular essa ocupação e determinar como devem se movimentar é tampar os ouvidos para o que podemos aprender e devemos mudar para tornar as cidades mais humanas”.

Entendo que o ponto que se desejava explorar dizia respeito à violência de um planejamento que privilegia um determinado modo de transporte ao ponto de praticamente inviabilizar todos os demais. No entanto, escutando com mais cuidado, me pareceu irresponsável e romântico ao mesmo tempo.

A irresponsabilidade: minimizar, senão retirar da equação, o fato de que a disputa (como ela se dá) por esse espaço (como ele se apresenta) está matando justamente esses que já são os que nossa sociedade mais mata: os rapazes jovens das periferias.

Disseminar e discutir questões ligadas à segurança pessoal e práticas para um transito seguro não me parece tampar os ouvidos para nada. Ao contrário, me parece um oportunidade de escuta, atualização e sensibilização de um maior número de pessoas para os fatores que fazem do nosso trânsito brasileiro um dos mais violentos do mundo, ajudando a democratizar e qualificar o debate para mais camadas da sociedade.

O romantismo: assumir que os tais garotos de periferia estão ocupando as ruas de bicicleta porque para eles essa é uma causa.

Ao afirmar isso, está-se fazendo uso, em causa própria, de uma parcela da população que não necessariamente é sensível ou familiar ao debate sobre a mobilidade ativa. Desconsidera-se que, se esses corpos estão na luta/na rua disputando espaço em um ambiente hostil, e muitas vezes pagando com a vida, eles aí se encontram não por identificação à causa, mas por necessidade de trabalho em um contexto de crise econômica, desemprego e precarização laboral. É apenas mais uma expressão de desamparo.

Na reportagem de Leandro Machado para a BBC Brasil isso aparece com bastante clareza. A bicicleta como opção é uma expressão da ausência de opção. Seria, portanto, o primeiro passo possível para gerar alguma renda, até que se tornasse viável conseguir algo percebido como mais conveniente e desejável: um transporte-meio de trabalho motorizado: a motocicleta.

Dos fatores apresentados na reportagem para que a moto seja cobiçada em detrimento da bicicleta, destaco este: o rendimento gerado pelos ciclo-entregadores corresponde à metade daquele gerado pelos entregadores de moto. Mesmo que os ciclistas trabalhem mais horas e gastem mais energia (talvez até correndo mais riscos), o resultado financeiro fica aquém daquele que seus parem em motocicleta são capazes de fazer. O tipo de relação com a bicicleta e o desejo de mudança de transporte fica bem expresso por essa frase dita por um dos entrevistados: “Agora que já tenho as manhas do trabalho, que já conheço as ruas, só me falta um motor.”

Ainda que possamos identificar um ponto em comum entre o cicloativismo e a realidade dos ciclo-entregadores circunstanciais, a dizer, desejo de sobreviver à barbárie, não devemos confundir a causa de um com a causa de outro. Para os primeiros, a pauta se adere à luta por um trânsito mais seguro, de paz e limpo. Já, para os outros, a luta parece mais imediatamente ligada à necessidade de gerar meios para pagar um teto e a comida.

Ao sonhar com a troca da bicicleta pela moto, o ciclo-entregador espera melhores ganhos. E isso não configura traição à uma causa que jamais foi dele. No entanto, acredito que aqueles que estão conduzindo ações em prol da agenda da bicicleta como transporte podem conquistar mais atores para a sua causa por meio de debates sobre segurança pessoal e práticas para um transito seguro junto aos ciclo-entregadores, mesmo que sua condição seja meramente circunstancial.

Pense que se esse trabalhador que usa a bicicleta desconhece as condutas seguras ou, se conhece, escolhe ignorá-las, quando mudar de transporte, assumirá as mesmas condutas pobres e perigosas. No entanto, agora, seu grau de letalidade cresceu com a capacidade aumentada de velocidade do novo veículo e com o porte do mesmo. Perdem todos. A necessidade de apaziguar o trânsito, investir no compartilhamento e diminuir as velocidades dos motorizados não concorre com a necessidade de que as normas de trânsito sejam conhecidas, praticadas e fiscalizadas.

A questão, porém, não começa e acaba nos trabalhadores de entrega, seja por moto ou por bicicleta. Ao invés disso, ela se estende ao Estado, aos empresários/comerciantes e aos consumidores que fazem uso da conveniência da entrega em domicílio.

Clientes consumidores

Parece bastante fácil para os clientes consumidores, no conforto de suas casas ou escritórios, deixar de avaliar qualquer outra variável que não seja a rapidez das entregas, no que diz respeito ao seu grau de satisfação com o serviço. Não seria o caso de promover alguma campanha que sensibilize esse cliente para a ampliação dessa percepção de qualidade, envolvendo-o como corresponsável por um trânsito mais seguro? E se houvesse alguma certificação ou selo de empresa responsável com a vida no trânsito, que ajudasse o cliente consumidor a identificar e escolher aquelas prestadoras de serviço que estão mais de acordo com seus princípios morais e valores? Já pensou nisso? Talvez, de quebra, ainda viesse o bônus de, quem sabe, sensibilizar esse público também para questões relativas à segurança e dignidade do trabalho dos profissionais de entrega.

Empresários e comerciantes

Imagine se as empresas que atuam como prestadoras de serviço de entregas por moto ou bicicleta, não importa, fossem avaliadas quanto a sua responsabilidade pela promoção de um trânsito seguro. Será que assim haveria o cuidado de orientar os trabalhadores para condutas seguras no trânsito? Será que isso refletiria na diminuição do número de infrações? E o que aconteceria com o número de acidentes?

Houvesse um selo que certificasse a responsabilidade social da empresa prestadora de serviço, os comerciantes poderiam escolher a empresa que iriam contratar conforme sue afinidade ética. Do mesmo modo, os consumidores finais, o cliente que solicitou a entrega em domicílio, poderia mapear tanto os comércios quanto as prestadoras de serviço mais afinadas com o que considera justo, desejável e correto.

É possível que se assim fosse, todos cuidando juntos pela segurança de todos e do trânsito, metas de agilidade e rapidez que colocam vidas em risco não fossem mais impostas, considerando tempos impossíveis de serem cumpridos sem que infrações de trânsito estejam no repertório das atitudes esperadas, conhecidas mas, convenientemente, ignoradas por todos.

Talvez, nesse dia, não tenhamos mais que ouvir mais justificativas como esta que recebi de um gerente de uma rede de pizzas na zona sul do Rio de Janeiro: “o pior que pode acontecer em um acidente com algum de nossos motoboys é a gente perder o pedido”.

Estado

Ao Estado, evidentemente, cabe ações de sensibilização e educação para o trânsito, além de oferecer as condições adequadas de segurança e conduta e incentivar as melhores práticas, por exemplo, por meio de uma certificação ou selo que ateste a responsabilidade do prestador de serviço e do motorista.

Todos fazem parte de um sistema, e o sistema tem regras sim. Caso não estejamos dispostos a lidar com isso, com ou sem motor, o certo é que vamos continuar impondo para parcelas importantes da sociedade uma relação de trabalho desequilibrada, insegura e indigna. Mais que isso, vamos continuar impondo um ‘ambiente de trabalho’ que tem a característica de ser violento e que aparece como um dos que mais matam pessoas no mundo: o trânsito brasileiro.

Já que o Maio é Amarelo e o sentido é a vida

Registro de uma intervenção em espaço público sem que tenha havido qualquer consulta ou mesmo comunicação junto à comunidade.

Desenho atual: uma curva em S, sem calçada, sem acessibilidade, sem sinalização de velocidade e sem pontos de travessia para pedestre ou redutores de velocidade

Avenida Afonso Arinos, sentido praia – Avenida das Américas

O traçado atual da via está destacado em vermelho. Todo o resto era área verde, hoje derrubada para dar lugar ao novo traçado de via.

Entre a praia e a Avenida das Américas não há nenhum sinal de trânsito, faixa de pedestre ou redutor de velocidade. A via de velocidades elevadas é testemunha de frequentes acidentes de trânsito provocados pelo excesso de velocidade. Pedestres se arriscam em calçadas exíguas, esburacadas e travessias inexistentes. Ciclistas se arriscam em um trânsito hostil.

Mas a prefeitura está prestes a entregar uma obra de redesenho dessa via. Acompanhe a seguir o projeto.

Trecho de rua segregado e privatizado por cancela

O traçado amarelo, destaca uma rua privatizada por cancela. Separada da curva em S por uma ilha, seu uso era essencialmente dedicado a oferecer acesso praticamente exclusivo para o prédio da esquina, tornando-se uma espécie de extensão do estacionamento de visitantes do mesmo condomínio. Em dias de praia era comum ver banhistas fazerem uso da rua para deixar seus carros. Também era frequente o abandono de veículos danificados nessa área.

Retirada da ilha e ampliação do número de pistas

A ilha que separava essa rua privatizada por cancela da curva em S foi retirada. Também foi retirada a cancela. Deste modo, o número de pistas que vem do sentido da praia em direção ao Canal de Marapendi – Avenida das Américas foi ampliado de duas para quatro pistas. Não foi prevista nenhuma faixa de pedestre, redutor de velocidade ou sinalização indicando passagem de pessoas a pé ou de bicicleta.

Com a derrubada das árvores no terreno imediatamente à frente, a via “morta” ganha uma continuidade que dará acesso de carros, em uma linha praticamente reta, ao canal de Marapendi.

Neste trecho também não há indícios de semáforo, faixa de pedestre ou redutor de velocidade. Do mesmo modo, ciclistas também não foram contemplados. Acessibilidade é algo que passou longe.

Um contorno antes inexistente

Essa em azul vê-se uma nova via, antes inexistente. De algum modo, parece prevista a circulação de carros no sentido do Canal para a praia, tendo sido abertas duas possibilidades de direção. Para a esquerda do desenho, voltaria em direção ao Canal, passando por de baixo da ponte. Para a direita, haveria um acesso para a rua que segue por sobre a ponte.

Mais uma vez, não há indícios de semáforo, faixa de pedestre ou redutor de velocidade. Ao contrário do que seria de se esperar, já que há uma ciclovia desenhada no projeto apresentado pelo engenheiro responsável depois de muita insistência, não vemos os ciclistas sendo contemplados. Acessibilidade, novamente, é algo que passou longe.

A antiga curva em S cedeu lugar a uma longa reta

Por fim, o retão da alegria. O longo retão culmina em uma curva pouco suave, seguindo-se de outro longo e desimpedido retão imediatamente à frente.

Vou repetir o mantra: não há indícios de semáforo, faixa de pedestre ou redutor de velocidade, o trânsito de ciclistas não foi contemplados, acessibilidade não foi uma preocupação.

Logo da campanha Maio Amarelo de 2019: no trânsito, o sentido é a vida

Campanhas de conscientização no trânsito são maravilhosas, demonstram resultado e, portanto, são necessárias. Que legal. Mas, o que justifica essa desarticulação entre o plano de mobilidade urbana e a publicidade em torno do cuidado com a vida?

Vamos pensar juntos. Se um motorista olha para frente e não vê nenhum obstáculo, se, ao contrário disso, ele se depara com uma via larga, reta, lisa e desimpedida, qual o comportamento que será estimulado? Se você respondeu velocidade alta e convite à imprudência, você acertou.

Velocidades altas e embriaguez são as principais causas de acidentes com morte no trânsito. Então, porque, em uma área urbana, próxima à áreas de lazer e no caminho de um fluxo importante de pedestres (na verdade, o único acessível para pedestres e ciclistas nesse trecho), foi autorizada uma obra dessas, impondo, mais uma vez, um desenho 100% orientado para o transporte individual motorizado?

Cabe destacar que:

1. A obra tem previsão de entrega para esse mesmo maio, o Maio Amarelo.

2. O projeto apresentado pelo engenheiro responsável da obra não previa os vários novos sentidos e acessos possíveis para automóveis.

3. O projeto mostrava uma ciclovia segregada inexistente na obra realizada e prestes a ser entregue.

4. O projeto indicava redutores de velocidade e elevações da via para o nível da calçada. Estes não constam da obra próxima de ser finalizada.

5. No projeto apresentado, haveria um trabalho de calçamento da rua que vai da ponte para a praia, em destaque abaixo. Esse, de acordo com o mesmo engenheiro, era um terreno indevidamente apropriado pelo condomínio Atlântico Sul, e que, portanto, seria reintegrado ao uso público, justamente para dar lugar a uma calçada de pedestres. Esse trecho não recebeu qualquer beneficiamento e continua de posse e uso particular do condomínio Atlântico Sul.

Trecho correspondente a área indevidamente incorporada ao condomínio Atlântico Sul

6. De acordo com o engenheiro responsável pela obra, o restinho de área arborizada, receberia um tratamento paisagístico, recuperação de vegetação local e criação de parque público. Não está acontecendo.

7. Todo o trecho entre a praia e a Avenida das Américas tem 1,1km. Esse percurso carece de calçadas, e muitas das que existem são estreitas, acidentadas e inadequadas (inviáveis mesmo) para o trânsito seguro de pedestres, carrinhos de bebê ou pessoas com mobilidade reduzida. O trecho também é recheado de ameaças aos pedestres e ciclistas: contém muitos cruzamentos e acessos para carros vindo de diferentes vias, e não apresenta nenhum sinal de trânsito, faixa de pedestre ou redutor de velocidade. Se há alguma placa de limite de velocidade, essa não é respeitada e nem tão pouco fiscalizada.

Conclusão

Uma cidade que ainda se permite tomar área verde para ampliar número de pistas para carros, sem pensar em mobilidade ativa; uma cidade que ainda privatiza espaços (há muitas formas de privatizar) sem pensar no publico; uma cidade que investe em velocidade e abre mão da segurança; essa é uma cidade atrasada, essa é uma cidade destinada a continuar matando no trânsito.

Mas, lembre-se, o sentido é a vida.

Abaixo, uma matéria de 2018 com orientações da OMS para um trânsito orientado à vida.

https://g1.globo.com/carros/noticia/2018/12/07/oms-divulga-relatorio-sobre-mortes-no-transito-e-sugere-reducao-de-velocidade-em-areas-urbanas.ghtml