Milho Verde

A panela destampada convida a uma inspiração profunda. O perfume brinca com o olfato e a memória dos banhistas.

“Picado é seis. Na espiga é cinco”. O anúncio é simultâneo ao atendimento. A espiga cozida deixa a panela fumegante. Vai da pinça à palha verde, pingando água quente na areia queimada de sol.

“A sogra quer branquinha. Capricha, amigo”. Quem prepara é o chefe. Primeiro, passa na bandeja com água e sal. Depois, pinceladas generosas de manteiga derretida. O ajudante faz o troco.

Subido na ponta dos pés, narinas dilatadas na direção da panela, o menino cuidadosamente seleciona a espiga gorda e amarela. “Picado” é o pedido. Em segundos, o facão deixa a espiga pelada. Os grãos dourados fazem montanha no recipiente plástico. Com os olhos grudados no prato que equilibra entre as mãos a criança é sorriso guloso correndo pela areia.

As ondas desfeitas lambendo a praia afundam as rodas do carrinho de milho na areia. Seria para impedir a sua partida? O aroma do mar se confunde com o que vem da panela. Misturadas, as gotículas de vapor e maresia pintam um arco-íris contra o céu azul, emoldurando o carrinho prateado e fumegante.

“Moço, pode ir até ali”? O braço esticado aponta um lugar indefinido entre barracas coloridas e cheias de gente. O vendedor entende. Em pouco tempo está pronto para mudar a cozinha de lugar.

Depois de duas trações, as rodas se libertam da areia. Em pouco tempo, a cozinha entra em movimento. O cozinheiro segue na frente, puxando o carrinho pelos braços de metal. O ajudante, pernas finas e compridas de adolescente, vem atrás, empurrando. Seguem lentamente, mas com determinação para vencer as ondulações do solo arenoso.

Em poucos minutos essa presença é memória distante. A brisa se encarrega de levar o perfume que sai da panela para longe. As águas do mar terminam de desfazer o rastro de duas rodas finas que indicavam o caminho. Para trás, apenas o cheiro azedo do suor que aos poucos também se perde no ar e no mar. É a vez do mate com limão. Bem longe, alguém grita aaaaaaaa-bacaxi.

Publicado por

Deriva Navegante

Rês desgarrada nessa multidão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s